Walberto Souza | DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DA COVID-19 EM PEDIATRIA
16534
post-template-default,single,single-post,postid-16534,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DA COVID-19 EM PEDIATRIA

DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DA COVID-19 EM PEDIATRIA

Fonte: Departamento Científico de Imunizações e Departamento Científico de Infectologia, Sociedade Brasileira de Pediatria

“Um dos aspectos mais intrigantes da pandemia causada pela COVID-19, e que se demonstra consistente em todo o mundo, baseia-se no fato de que as crianças e adolescentes apresentam em sua maioria formas clínicas leves ou assintomáticas, não obstante a rara ocorrência de casos graves, como os descritos em crianças que apresentaram a Síndrome Inflamatória Multissistêmica”.

“Observa-se que em 2020 o grupo de crianças e adolescentes de 0 a 19 anos representou 2,46% do total de hospitalizações e 0,62% de todas as mortes. Em 2021, até o dia 01 de março, o percentual de hospitalizações e mortes em crianças e adolescentes foi respectivamente de 1,79% e 0,39%”.

“A taxa de letalidade em crianças e adolescentes hospitalizados por SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) relacionada à COVID-19 foi de 8,2% em 2020, caindo para 5,8% em 2021”.

“Até o presente momento, observamos menor proporção de hospitalizações, menor proporção de mortes e menor taxa de letalidade nas crianças e nos adolescentes de 0 a 19 anos em comparação ao ano de 2020”.

“A análise das taxas de letalidade entre os hospitalizados por SRAG devida à COVID-19 mostrou também menores  taxas em 2021 em comparação com 2020. A tendência de redução de letalidade foi uniforme nos diferentes estratos de idade”.

“Vale ressaltar que estamos vivendo, em vários estados do país, a sazonalidade de outros vírus respiratórios, em particular como retorno da circulação do vírus sincicial respiratório (VSR), que impactanas taxas de hospitalização por SRAG na pediatria, sendo neste momento o principal agente relacionado a estes casos em hospitais pediátricos”.