Walberto Souza | Anomalias anorretais: o que são?
16329
post-template-default,single,single-post,postid-16329,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Anomalias anorretais: o que são?

Anomalias anorretais: o que são?

As anomalias anorretais (AAR) são malformações do final do intestino do recém-nascido(RN), variando desde alterações leves até casos mais complexos. Ocorrem em 1 em cada 4.000 a 5.000 nascidos vivos.

Na literatura, existem variadas classificações para as AAR que se apresentam, de uma forma geral, com a abertura do reto fora do local habitual ou casos onde não há ânus, com o intestino terminando em uma comunicação anômala com o trato urinário ou genital do(a) paciente.

 

 

Defeitos genitourinários, cardíacos, respiratórios ou de membros podem estar associados. Malformações da coluna lombossacra, quando presentes, podem implicar em alterações importantes da inervação do intestino e da bexiga (causando a chamada bexiga neurogênica ou incoordenada).

O diagnóstico é feito na sala de parto, durante o exame físico do RN. À inspeção do períneo, não se visualiza o orifício anal ou a abertura do intestino(chamada fístula) é em local não adequado no períneo.

Feito o diagnóstico, a avaliação do cirurgião pediátrico faz-se necessária para acompanhar o bebê junto à equipe de pediatras e definir a melhor conduta no momento: se será realizado um tratamento cirúrgico único, definitivo, ou, como na maioria dos casos, submetido a uma colostomia antes do reparo definitivo (Cirurgia de Peña)e, posteriormente, realizar o fechamento da colostomia.