Walberto Souza | Litíase Biliar em Crianças
15792
post-template-default,single,single-post,postid-15792,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Litíase Biliar em Crianças

Litíase Biliar em Crianças

                                                                     

Entenda o que é:

A vesícula biliar é um órgão do nosso corpo que se localiza sob o fígado. Sua principal função é armazenar a bile, que ajuda na digestão das gorduras. Devido a certas anormalidades, podem desenvolver pedras que são chamados de cálculos biliares ou litíase biliar.

A litíase biliar sempre foi uma patologia  rara em idade pediátrica, com uma incidência estimada em 0.1-2%. Nos últimos anos tem aumentado em crianças e adolescentes, tanto pelo  maior número de situações clínicas predisponentes, particularmente a obesidade, causada por dietas ricas em gorduras, tanto pela maior facilidade em se fazer o diagnóstico, com a maior disponibilidade para a realização de ultrassonografia atualmente.

Tem como fatores etiológicos as doenças hemolíticas congênitas, como anemia falciforme, talassemia e esferocitose hereditária, fibrose cística, nutrição parenteral prolongada, ressecção intestinal extensa decorrente de malformações intestinais, com circulação entero-hepática anormal, e outras causas ainda desconhecidas. O uso de certos medicamentos (como antibióticos do grupo das cefalosporinas como a Ceftriaxona) pode determinar espessamento da bile, levando à formação de cálculos que podem vir a ser resolver espontaneamente.

Os fatores de risco para essa doença, sobretudo entre os adolescentes, assemelham-se aos adultos, como obesidade, uso de anticoncepcionais orais, doenças hepatobiliares, e histórico familiar, podendo haver complicações como a inflamação da vesícula biliar (colecistite) ou obstrução do ducto de drenagem da bile (colangite).

Quais os sintomas:

Os sintomas vão desde dor abdominal aguda inespecífica, na maioria das vezes do tipo recorrente, até sintomas biliares como cólica, náuseas e vômitos ou icterícia.

Como é o tratamento:

Em crianças que possuem os sintomas claramente relacionados à litíase biliar, recomenda-se o tratamento cirúrgico, no sentido de se evitar complicações. O tratamento mais indicado é a colecistectomia (retirada da vesícula biliar) por videolaparoscopia, evitando-se incisões maiores e permitindo um período de recuperação mais confortável para a criança.

                                                               

A questão é como conduzir o caso do paciente portador de litíase vesicular que é assintomático: se deverá apenas ser acompanhado pelo seu cirurgião pediátrico ou submetido a cirurgia. Por isso o seguimento e as avaliações de rotina com seu médico responsável são tão importantes.

Procure sempre seguir as orientações de seu cirurgião pediátrico para que o paciente tenha a conduta mais adequada e, se necessária a cirurgia, que seja muito bem indicada.

Siga nossa página e compartilhe nossas notícias!